domingo, 13 de janeiro de 2008

Depois de tanto tempo, o aviso...


O blog está desativado.

Sim, sim. Esta é uma revelação surpreendente, mas foi necessário fazê-la.

Talvez eu deixe o blog desativado pra sempre. Talvez eu volte a usá-lo algum dia.
Ai, eu não sei... Eu não sei! E pensar sobre cansa minha beleza.

Por isso, deixarei o tempo passar e se uma vontade enlouquecida vier sobre mim para que eu reative o blog, assim será!

Bom, enquanto isso, vai ficar ali no cantinho os links dos blogs que eu visito (mas não necessariamente comento).

É... É isso.

Se alguém chegar a ler tudo o que foi escrito aqui, beijos na testa!

11 comentários:

Raquel disse...

Puxa, é esse amontoado de palavras bonitas que fazem a nossa vida girar e fazem o coração ficar feliz.
Humpf.
Nunca li e nunca mais vou ler o que tu escrevia. Enfim.
Beijo, menina!

Raquel disse...

Tem muita conversa que eu leio por aí, que eu juraria de pé junto que foram comigo. Vai ver é mais ou menos assim que rola comigo e com você, sei lá.
Eu já invadi um casamento. Foi só uma vez. Era uma menina importante, filha de um moço importante, casando com um bonitão qualquer. Sabe como foi?
Os guardas não quiseram deixar minha amiga e eu entrarmos. Eu respirei fundo, dei o meu melhor sorriso (o mais cínico), estendi meu braço e disse “Sou Raquel Chaves, prazer. O noivo me aguarda, estudei com ele por 7 anos e não vinha a este casamento. Mas eu estava passando e resolvi vir. E aí? Não é você que vai me impedir de ver um grande amigo.”
Ele pediu desculpas e deixou eu entrar. Trouxa! Nem conhecia o cara!
Quando pus meus pés na igreja, too mundo se entreolhou, afinal, menina esquisita. Assisti a cerimônia, cumprimentei a noiva e fui embora. Comi umas coisas chiques e finas de graça lá.
Foi interessante, menina. Com o coração na mão, com medo de me expulsarem, afinal, eu não parecia da realeza, como todo mundo ali.
Foi engraçado, porque contei uma pá de mentiras pra quem puxava assunto comigo.

Sabe que, dia desses eu estava relendo o meu outro blog, o mais sentimental blábláblá. Criei os blogs pra desabafar, do meu jeito. No outro, tem posts que eu vejo que desabei e sinto vergonha, sei lá, vergonha dos sentimentos, sabe, menina? Enfim.
E lendo o outro blog também, eu li algumas coisas que disse e me achei um lixo de pessoa. Sei lá, eu era aquilo, devo ter escrito por alguma coisa, algum motivo, faz parte de mim. Mas quase deletei o blog. Me segurei. Eu sou extremos, complexa e chata demais, eu sou a mais pura contradição. Ora impulsiva demais, ora racional demais. Guria, tu não tem noção do que eu já fiz por impulsividade! Nem conto. Um dia eu conto. Já fiz muita besteira, mas já me dei bem por jogar tudo pro alto e fazer o que eu tava afim.

E é isso aí, não tem que se importar se é bom ou não. É isso aí e pronto. Não tem que querer mudar mesmo. Eu não quero. Eu sou assim e gosto disso. Ponto.

Apesar que mudar é relativo. Ah, vai saber! Deixa isso pra lá.

P.S.: Essa resposta SIM que é uma postagem. Haha. Escrevo demais. Menina chata que eu sou. Cala a boca, Raquel.

Sujeito Oculto disse...

Deixa um aviso no meu túmulo quando reativá-lo.

Raquel disse...

Pois é, invadindo igrejas, tu pode ser uma filha da puta não sendo uma filha da puta. Sabe onde foi o casamento? Lá na igreja da Candelária, ééé, lá mesmo!
Uma amiga disse que estava dividida entre dois caras: um ia amanhã pra Europa e o outro ia visitá-la amanhã. Daí eu disse: menina, fica com o da Europa porque tu nunca mais vai ver ele!
E as pessoas daquela igreja nunca mais vão me ver.
Eu sou uma tagarela, mas já disse que sou contradição: as pessoas me acham excessivamente quieta e calada.
Puxar assunto, menina, é difícil! Ai, muito difícil. Você parece saber puxar assunto e isso é bom, porque se não eu ficaria perdida.
Me fala alguma coisa sobre ti, porque aí o assunto nunca mais vai acabar. Eba!
Eu digito o que vem na minha cabeça, sabe? Sem uma ordem certa, tem coisas que só fazem sentido pra mim, que ninguém mais sabe, que eu coloco meio que em forma de códigos. Um dia eu te explico, explico alguma coisa sobre algum post qualquer.

Eu já fui bem "foda-se", aliás, ainda sou, mas tem pessoas que putz... me preocupa muito a opinião que elas têm sobre mim e não deveria ser assim. Mas é.
Discussões são coisas ruins, eu vivo batendo de frente com a minha mãe e às vezes com uma amiga minha que é quase uma irmã. E eu fico puta mesmo e a raiva demora pra passar. Nem sempre. Às vezes passa no mesmo segundo. E eu sempre acabo cedendo, porque elas são orgulhosas demais. Enfim. Sabe o que me aconteceu hoje? Peguei maior chuva. E tava a maior ventania. Fiquei com frio, cheguei em casa tremendo. Uma senhora disse "Tadinha!". Me senti uma tosca pobre sem guarda-chuva. Vi meus amigos pobres e zozós, como eu. Foi um dia divertido.

Estava Perdida no Mar disse...

Ai...reativa logo isso.
Beijos

Raquel disse...

Tem dias que começa a chover e eu estou em casa. Aí eu saio para o único fim de pegar chuva! Mas a maioria das vezes eu pego contra a minha vontade. É triste.
Também não me dou muito bem com a gravidade… andar é difícil. Por isso não uso saltos, tampouco vestidos.
Mamãe é uma mulher religiosa. E a minha família também. Eu quase enlouqueço com esse negócio de colocar religião em tudo, sendo que a minha mãe é a mais “cabeça aberta” de toda a família! Então imagina os tios e primos. Meu pai é ateu, totalmente. Nem sei como eu nasci, afinal, eles não são parecidos nem um pouco. Tudo de ruim da minha personalidade é coisa dele! Paranóia, implicância, mania de flertar com desconhecidos, sentimentalismo, idealismo, mania de ficar pensando sobre tudo, manias em geral, manias únicas, blábláblá.
Um cara de 30 anos pediu meu e-mail. Eu, solidária que sou, dei. Ele começa a falar que desde que terminou com a namorada não conheceu mais ninguém e que eu parecia ser legal. Começou a perguntar demais da minha vida e eu o mandei pastar. Juro que fiquei assustada. Fui no cinema hoje, conheci um senhor que parecia o Peréio! Na voz, na aparência mesmo, nas idéias, no jeito de falar. Determinado momento eu disse “Você parece muito com o Peréio. Você é ele?”, aí ele disse que era quase isso e perguntou o que eu achava da barba disse, eu disse que ela linda e brilhante. Enfim. Falo demais.
Olá.

Raquel disse...

Também não entendo essa tais executivas lindas, louras e ladys que caminham como se pisassem nas nuvens em cima de um saltão. Eu acho lindo. Mas também não tenho o equilíbrio suficiente pra isso e nem aquele rosto perfeito, corpos perfeitos tampouco os terninhos chiques.

Eu fico nervosa demais quando começam a perguntar demais sobre mim, não é vontade de ter garota-mistério, mas sei lá… me sinto estuprada intelectualmente, me sinto nua, sei lá. E conversei com o tal cara e ele tem 30 anos! Perguntou onde eu morava, o que eu fazia da vida, etc e tal. Não tem um pingo de senso de humor e começou a falar da namorada que chutou ele, horrível. Disse que se sentia um tarado e eu não hesitei em dizer “Mas não é isso que você é?”

Os jovens, grupo onde me “incluo” são díficeis demais de se entender, mania de complicar tudo, mania de ver demais, de julgar as pessoas.
Ano passado, uma garota disse pra mim que me via todos os dias no metrô e que me achava uma escrota do nariz empinado, arrogante. Uma nojenta.
Até que um dia eu disse que achava que ia chover e começamos a ter um papo enorme, sobre tudo e tal. Ela pediu desculpas, disse que eu era um doce, que devia ser por causa da minha timidez blábláblá.

Bom, eu não sei se tenho cara de quebra-galho, mas eu sempre ajudo velhinhos de muito bom grado, principalmente no que diz respeito a informações, até mapa já desenhei pra velhinhos. Esse negócio de ser anjo me dizem muitas vezes. Mas mal sabe eles que eu sou uma pervertida chata que fala demais, toda libertária.

Não sei se eu vou fazer algo grandioso pra humanidade, mas realmente me impressiona isso do meu pai e mamãe. Tudo bem que ele era um charme e tal, mas mesmo assim, mamãe também era um puta mulherão. Tão mulherão que naquela época convidaram ela pra desfilar em escola de samba e tudo! Mas ela recusou.

Hoje eu acordei com a chuva, quase chorei de emoção (?). Faz tempo que não chove nesse Rio de Janeiro. Ai, são 9 horas da manhã e eu estou no trabalho! Trabalho com papito. Papito é o meu tio que eu considero um pai também, enfim.


Beijo, guria!

Raquel disse...

the.raquel.is.on.the.table@hotmail.com

Agora podemos extrapolar de verdade. Eu sempre extrapolei em e-mails. hahahaha
Vish, quando eu esqueço o que eu ia dizer, eu refaço todo o meu percurso, releio tudo o que eu li e sempre lembro!
Rivotril from hell.
Convulsão? Que terrível. Convulsão me lembra Ian Curtis. Ele era um bom rapaz. Era sim. Se suicidou.

Nunca fiz. Mas existe coisa pior do que tirar sangue? Eu não acho. E boca anestesiada também. Meu segundo beijo foi com a boca anestesiada. Não senti. Foi trágico.

Trabalho atendendo telefones, cruzando as pernas, com o chame nível dez ligado e digitando petições. É um saco, mas é o meu sustento. hahaha
Olha, eu saio alucinadamente e meu poder aquisitivo é nulo. hahahaaha
Mas quase sempre a coisa é trágica.

Então aceita. Vai trabalhar numa joalheria. Eu já acho que trabalhar em escritório de advocacia é um saco, magina em loja de roupas. Pior que isso é trabalhar em um consultório de dermatologia (palavras duma amiga).
Acho que só os profissionais ligados as artes que estão dentro de mim. Cantores, desenhistas fracassados, escritores, roteiristas, cineastas, atores…

Raquel disse...

Sim! Adoro elas, cruzadinhas são tão fofas e quando você completa, você se sente tão útil! Uma vez eu vi uma velhinha no metrô dizendo pra uma menina que mais viciante que cruzadinhas, só crochê mesmo.

Cara, eu assumo que estou errada mesmo quando eu não estou errada!
É sempre assim, eu acabo cedendo, pra manter a paz e a alegria blábláblá.
Acho que você deveria contar essa pessoas bissexuais. Conheço alguns que vivem me dizendo: “ah, eu não sei do que eu gosto, eu tenho dúvida, mas eu sei que a resposta só está dentro de mim blábláblá”
Aí eu digo “ué, e por quê tem que gostar de uma coisa só?”. Enfim.

Eu diria que pelo menos 60% ou 70% (acho que está mais pra segunda opção) dos meus amiguinhos, colegas e conhecidos também possuem um pé no arco-íris, uma vida colorida. Minha mãe também odeia isso e odeia que eu os aceite do jeito que eles são e ponto. Nem discuto, ela é tradicional, não muda a cabeça, ela é assim, sempre foi e ponto. Tá. Uma vez saí com meus amigos héteros (gente, falando assim, até parece que eu tô generalizando) pra uma festa hétero e com músicas héteros. Sem nenhum glamour aquilo. Nada. Nada. Nada. No dia seguinte liguei para um amigo para contar de como sobrevivi aquilo, aquele martírio. Disse que vários machos tentaram me enlaçar, mas eu não posso ser enlaçada por rapazes cujos braços são fortes e rapazes cujo calçado se apresenta um super tênis com molas. O amigo, Thiago, é uma bicha típica, não diz que é gay ou homossexual, diz que é viado mesmo. Adoro ele, porque ele é espontâneo. Que nem eu. Acho que poderíamos casar porque nunca iríamos nos separar ou brigar. Já combinei com ele que se aos 30 anos não estivermos de casamento marcado, a gente casa e pronto.

Não, é um segundo Peréio. A diferença é que eu percebi que o primeiro clone do Peréio não era tão Peréio assim e o segundo sim, Era uma coisa absurda!
Entããããooooo, voz zégsi é uma coisa, né? Quando as pessoas tem vozes normais, eu nem reparo, agora, uma voz com aquele nível de sex appeal, merecia ser lembrada pra sempre!

O meu pai chegou a ser preso, até hoje ele é cheio dos ideais, cheio das igualdade, cheio dos feminismo, cheio dos barará, dos comunismo, cheio das contestações. E eu, como sempre faço questão de ressaltar, que me deu essa veia de ficar se importando com essas porcarias existentes no mundo. E como eu sempre faço questão de ressaltar também, ele que me deu todos esses traços feios da minha personalidade. Humpf.

Os tubarões pulam da água pra areia e nhac!

Liz / Falando de tudo! disse...

Gosto de visitar alguns blogs que não conheço, e que as vezes nem me indentifico muito, mas sempre que gosto do "desconhecido", deixo um recadinho, e quem sabe depois a gente não fique trocando vistinhas, né?!

J@de disse...

Mas foi bom vc ter deixado ele no ar, muita gente merece ler o que vc escreveu até aqui!!
Beijos!!

Postar um comentário

Fique a vontade para deixar sua opinião, mas seja civilizado.