segunda-feira, 7 de setembro de 2009

"caímos exatamente na mesma ratoeira"

Sabe, estou cansada.

Cansada de passar o dia inteiro sentada em frente a um computador editando planilhas de excel com fórmulas que se desconfiguram sozinhas e com uma merda de internet que cai do nada justamente quando estou finalizando alguma proposta.
Cansada de ficar vasculhando CPF's e CNPJ's alheios pra ver quem é ou não é caloteiro nesse Brasil.
Cansada de ficar atendendo ligações de pessoas que sentam há 5 mesas de mim e que não têm absolutamente nada pra dizer mas que por algum motivo desconhecido e assustador realmente acreditam que eu me importo com o que acontece com elas e que tenho potencial para me tornar a melhor amiga de infância.
Olha, não.

E, claro, também estou cansada de pessoas me exigindo coisas o tempo todo.
Tipo atenção, carinho, cuidado, abraços e beijinhos e tudo mais.
Não sou um ursinho de pelúcia que, quando alguém aperta a barriga, diz "i love you".
Definitivamente não tenho intimidade alguma com aquele troço chamado "telefone" então não adianta ficar reclamando que eu não ligo e não digo alô porque, cara, não vou ligar e nem dizer alô mesmo que haja ameaça de suicídio.
Podem me exigir qualquer coisa relacionada a trabalho, estudo ou o que seja, mas não sentimentos. Sou muito amável/sociável quando quero, porém o fato é que quase nunca sinto vontade de ser.

Não sou sociopata e provavelmente estou bem longe de o ser, só que tenho baixa tolerância a certas obrigações sociais e pouca gente entende.
Me sinto idiota e estrábica sempre que desejo um feliz aniversário, feliz dia das mães ou feliz ano novo. Ou então quando vou cumprimentar alguém.
E me sinto como um assassino cada vez que sou cobrada por felicitações ou abraços não dados.

E esse texto pode 'soar' como uma briga em tons bem malcriados mas, sabe?, não é assim.
Leia como se fosse uma tranquila conversa de bar. Os carros estão passando, as pessoas estão passando, o tempo está passando e cada vez mais garrafas de cerveja (ou de sua bebida preferida) estão ficando vazias.

Bem, não importa.
A questão é: não faço idéia.
Vou tentar reformular o que ia escrever pois perdi a linha de raciocínio ao conseguir a façanha de pisar numa mosca.
Não perguntem. Vou lavar o pé a já volto.

Ahn... A questão.
...
Claro! Não se sentir parte do grupinho.
Todo mundo se sente assim. Ok, isso é ponto pacífico.
Quem nessa vida nunca se sentiu como a peça que não se encaixa, não é mesmo?
Só que, bem, por que a maioria das pessoas corre pra uma força divina quando se sentem assim enquanto eu me refugio em café e cigarro?
Sentir deus em absolutamente nada é normal?

Quer saber, esquece.
Isso tá parecendo conversa de bêbado e a verdadeira questão dessa história toda é que eu não estou.
Não ainda.

E numa tentativa de salvar a dignidade deste blog (digni... o que?) e impedir que esta minha publicação consiga ficar mais loser do que ela já está, o texto de alguém que de fato sabe escrever:

E de repente aquela dor intolerável no olho esquerdo, este lacrimejando, e o mundo se tornando turvo. E torto: pois fechando um olho, o outro automaticamente se entrefecha. Quatro vezes no decorrer de menos de um ano um objeto estranho agrediu meu olho esquerdo: duas vezes ciscos não identificados, uma vez um grão de areia, outra um cílio. Das quatro vezes tive que procurar um oftalmologista de plantão. Da última vez perguntei àquele que realiza através de cuidar por assim dizer de nossa visão do mundo: por que sempre o olho esquerdo? É simples coincidência?
Ele respondeu que não. Que por mais normal que seja uma vista, um dos olhos vê mais que o outro e por isso é mais sensível. Chamou-o de olho diretor. E este, por ser mais sensível, prende o corpo estranho, não o expulsa.
Quer dizer que o melhor olho é aquele que é a um só tempo mais poderoso e mais frágil, atrai problemas que, longe de serem imaginários, não poderiam ser mais reais que a dor insuportável de um cisco ferindo e arranhando uma das partes mais delicadas do corpo. Fiquei pensativa.
Será que é só com os olhos que isso acontece? Será que a pessoa que mais vê, portanto a mais potente, é a que mais sente e sofre? E a que mais se estraçalha com dores tão reais quanto um cisco no olho. Fiquei pensativa.
Pois, como eu ia dizendo, lembrei-me do Ano-Novo, assim, de repente. [...]

LISPECTOR, Clarice. Apenas um cisco no olho.

Ps¹.: Lallinha, assim que você vier pro Rio te pago uma bebida
Ps².: Frase do título de Caio F. Abreu.
Ps³.: Talvez faça 1 mês ou mais que não respondo aos comentários. Malz aê, mas tempo tem sido artigo raro. Paciência também. That's all.

51 comentários:

Marie disse...

Não me leve a mal, mas carinho e amor não se pede se conquista e isso é voluntário.

Nathalia disse...

olha... eu tou comentando meio sem saber como dizer as coisas, mas o certo é q jamais deixaria de comentar num post desse tão sincero feito o teu. aliás, meus parabéns pela coragem.

mas é assim mesmo q acontece, Nathália. a única coisa q o fato de estar no pico da evolução garante é a capacidade de enxergar as nossas cordinhas de marionetes sendo controladas pelo hipócrita e poderoso sistema das obrigações sociais. há quem se debata, há quem reúna todas as forças para cortá-las e garantir sua liberdade...
mas os poucos que conseguem a façanha, caem nas garras de outro poderoso inimigo do homem: a solidão.

uma vez me disseram que "o meio-termo é a medida de todas as coisas", e eu jamais pude me deparar com um dizer tão pateticamente covarde quanto esse. mas substituindo "meio-termo" por "bom-senso", pude tirar boas lições do ditado.
isso porque é exatamente o "meio-termo" o patamar da tal "massa de manobra"...
já o "bom-senso" é um dos únicos legados de quem é de fato esclarecido.

beijos!

Dama de Cinzas disse...

Quando vi seu comentário no meu blog, sabia que algo de estranho estava acontecendo contigo, uma espécie de cansaço mesmo...

Bem... Se te consola me sinto igualzinha. Acho o mundo o lugar chato, cheio de pessoas agindo de forma que não entendo muito bem... De qualquer maneira não tem outro lugar pra ir, temos que habitar aqui mesmo... É respirar fundo e enfrentar. Mesmo que em alguns momentos a gente precise de um certo distanciamento...

Beijocas

Sarah disse...

ai, eu total te entendo, e se tu nao é sociopata, pode aguardar q isso vai te acometer, cedo ou tarde, nos afeta a todos rs!
beijos

Kyhetha disse...

Pouts. Odeio me sentir 'por fora' dos grupos.
mas prefiro isso, do q aquela falsidade e 'eu te amo's falsos.

fato.

Gunnar Vargas disse...

adoro seu mau humor! me contempla! :)

Desabafando disse...

todo mundo já se sentiu assim, como a peça que não encaixa naquele quebra-cabeças, acho que é normal sentir isso em algum momento da vida....e tb acho normal isso de vc não querer ser sociável o tempo todo, tem horas que as pessoas nos cansam e precisamos de um tempo pra nós mesmos....

agora o que não é normal é pisar em mosca....rsrsrsrs....

paulo disse...

A coisa tá feia Nathália.
Pra desestressar vai um conselho:

"Passa um tempo olhando pro topo de alguns arranha-céus."
É uma boa sensação...

Beijo

Ágatha Alves disse...

Tem hora que cansa mesmo
eu venho e uma família menos afetiva, nem muito abraço nem muito beijo
isso n é tão Oh que horrivel pra mim
o pouco sentimental qu sou aprendi com as pessoas que convivo
mas tem horas que da no saco
ter que abraçar a pessoa
aaaaaa parabens qurida
coma menor vontade
Mas se sentir assim cansada e tlas n é bom
Uma vez eu queria ficar soinha o dia inteiro no meu quarto sozinha
até minha mãe me da um toque
esses são momentos
tudo dará certo e seu ânimo, seu cansasso e tal vai passar

beijos flor

Suellen disse...

To me sentindo quase igual a você, a diferença é que eu pedi demissão sexta-feira e amanhã eu vou na homeopata, pra tentar resolver problemas de TPM o.O

Boa sorte com essas coisas ai ;*

Gabriela disse...

Não sentir deus em absolutamente nada é normal... Completamente normal pra quem não acredita na sua existência. Assim como é normal sentir deus em tudo pra quem acredita fervorosamente nele.
Tô indo num psicólogo quer uma carona? rsrsrs

lpzinho disse...

Oi Nathália.
Este não é exatamente um texto no estilo cólica-mental de ser mas nem por isso é menos importante.
E em fez ficar pensando em mtas coisinhas. Sei lá, não é igual mas eu já me senti meio assim. Numa escola, local onde eu dava aula. E eu sei que estar ali, por mais gostoso q fosse dar aula, ter contato com gente(e eu sou o tímido mais tímido que vc nunca vai ver pq eu sou tímido) ehhe Mas me fazia bem, com certeza pq dando aula no meio de uma multidão vc deixa de ser apenas mais um, entende?
Mas entre o corpo docente eu me sentia talvez como vc... e não via graça estar ali. E me sentia um estranho, como se eu precisasse trocar uma peça dentro deste LP aqui pra q ele se encaixasse naquela rotina de imbecilidades, reclamações, falta de humor, grosserias e cigarros in the air.
Sei lá. Continuo inteiro e vivo. E eles, elas tb. Mas eu saí de lá qdo apertou a paciência!
Faz falta pelo trabalho. Não faz pelo dinheiro, pq dinheiro nenhum paga o meu trabalho! Mas me faz bem ter saído pq não me sinto mais no meio do adubo. E.. essa coisa de deus q vc falou, bem.. veja só... alguns usam igrejas, outros templos, outros ocas, outros apenas o coração para falar com Deus.
Mas isso nem importa. O que importa é que ELE fala com TODOS nós independente de TUDO e de qual seja a maneira da gente vê-lo(ou não vê-lo). Relaxe, sorria e siga sua vida do msm jeito lindo q só vc sabe viver. O resto é menor e não vale seu stress! Beijoooo!

Larissa. disse...

Poxa, como eu me identifiquei nesse teu post. não sou de muitos amigos, muitos sorrisos. Odeio desejar bom dia. Mas realmente não desejo o mal a ninguém, só não sou alegre o bastante de manhã pra sair dizendo bom dia. Até gosto de dizer boa noite. Não gosto de fazer uma festa enorme ao ver uma pessoa, nem correr para abraçar. Mas nada, NADA, disso significa falta de afeto, ou de sentimento.

Amei seu post.
Adorei a sinceridade.
Adorei lê-lo.

Eu tbm ando sem tempo e sem paciência.

bjos
;*

Tha ! disse...

"Leia como se fosse uma tranquila conversa de bar. " eu rii .

quer um conselhor : senta , respira e conta até mil e tres se precisar !

pq , pode paracer clich~e , mais isso vai passar .
beijoos.

Lélla disse...

Tem selinho pra você no meu blog ^~ Beijos espero que goste :D

Larissa Bohnenberger disse...

Putz, será que só eu caí na gargalhada lendo este post?
Bem, como vou ficar séria imaginando vc pisar na mosca? Rssss!
Bjs!

Kira! disse...

Tenho sorte de que meu último emprego foi com pessoas nada sociaveis, então eu não tinha de ficar aguentando certas coisas!!!

Agora, ultimamente, em casa em todos os lugares tenho de aguentar gente fazendo drama, fazendo de vítima e tudo mais, e sinceramente tem duas pessoas que já até peguei implicância por causa disso! hahah
Ainda mais agora grávida, sou alvo de perguntas idiotas, do tipo " como isso aconteceu?" dai eu falo " trepei sabe?" pra ver se as pessoas se tocam um pouco! hahaha


Adooooro aqui, tenho o endereço do blog de cór (coisa que não faço nem como número do meu celular!) e só hoje fui colocar nos 'amigos' do meu blog porque né, minha memória é meio lenta...

Beijos

Vanessa disse...

Nat bem vinda ao mundo cão.

Não sei como vai a sua fabricação, mas meus coraçõezinhos de cristal saem do forno em escala industrial!


Besos e forza!

Bill Falcão disse...

Eu não sou seu amigo de infância, mas adoraria ter sido. No entanto, pelo que te conheço neste um ano e meio de "convivência", posso dizer que sei o que você sente e quer. Nascemos em épocas diferentes, mas você me fez entender que isso não é o que define uma amizade. Antes de te conhecer, eu pensava que isso seria impossível. Poderíamos "trocar de épocas" e ainda assim seríamos os mesmos. Você seria minha irmã mais velha e continuaria sendo quem é. Eu seria seu irmão caçula e continuaria sendo quem sou.
Você me diria tudo isso e eu te diria, talvez, pra gente sair de casa e ir ver um show do Matanza. Ou do Paul McCartney. Ou do Kiss. Eu e você perdidos no túnel do tempo.
E, pra esse comment aqui não ficar maior do que já está, vá no seu Hotmail, mais tarde, quando puder.
Lá, você encontrará o segundo episódio.
E um bjoooooooooo!!!!!!!!!!!

Priscila Rôde disse...

Somos duas, cansadas de tudo um pouco , e as vezes, cheia de ter que distribuir sorrisos falsos pra o outro se sentir melhor.
Vai entender né? rsrs

Beijos

Thiara Ney disse...

Paga uma bebida pra mim também?
=P

Filipe disse...

To tão sem tempo também que nem vou comentar nesse post.

Aliás, não aguentei e já comentei, mas tbm não vou me alongar e ficar babando de elogios o teu post pq tu não gosta e nem precisa, rsss.

=*

Whiskley Lee disse...

Me sinto exatamente como vc. :)

E na boa... já me estressei várias vezes... mas deixa isso pra lá...
Ouve Lady Gaga. é bom (y)

Beeeijos
;*

Luh* disse...

Aih é verdade, tem um dia q agente cansa de tudo e de todos! eu te entendo! cara esse povo é o fim, que chegam pra vc pedindo q vc ligue pois tá sumida e bloabla!

beijos

adorei teu blog! tô seguindo!!!

Camila Diesel disse...

Oi! Meu pai, blogueiro(movidoavapor.com), me indicou teu blog. Adorei o jeito como tu escreves e te expressas! Me identifiquei muito..

Abraços...

Rodriguez disse...

...Não sou um ursinho de pelúcia que, quando alguém aperta a barriga, diz "i love you".

E não é que o texto estava soando mesmo como uma briga em tons bem malcriados, mas deixou de soar quando você nos pediu para imaginar o mesmo como se estivessemos em uma conversa no bar. Porra, achei louca a mudança de cenário qi]ue minha massa cizenta fez.

Enfermeira Gigi disse...

sempre vejo teu blog, adoro, agora tenho meu também olha lá
www.ambulatoriotv.blogspot.com

Lélla disse...

Stress nos da rugas e muitas descordenações. Tente viver a vida levemente, conquiste o amor das pessoas, asso, você vai ser feliz sem precisar nem se mover ou se preoculpar muito. stress além de rugas não faz bem pra saúde e pras relações com as pessoas, apezar de eu me indentificar muito com o seu gênio ser meio descontrolada as vezes pode ser muito chato ! ... (eu sou descontraladaa totalmenteee) OEUAOIUIEA ...

katy disse...

se vc não sente vontade de dar carinho, amor, atenção, beijinhos,... então não o faça. essas coisas não podem ser cobradas, ou vc tem vontade de fazer, ou não... bjs

Emylianny disse...

é pra se sentir por fora quando todo mundo acha que você está super enturmada e feliz essa sou eu muito prazer!
Sinceridade em primeiro lugar se é o que você sente otimo é assim que vai ser se tiver que mudar que melhorar ,se você tiver de encontrar alguma coisa vc vai em algum momento...bjbjbj

Nat ♥ disse...

não é pq vc não é bem humorada (e meio babaca) como o povo que te cerca que as coisas sejam ruins assim x)~

eu sou calada, às vezes mau humorada e fico fora de grupinhos o tempo todo. fazer o q? vamooo viver, uai. shaushausha

eu to no rio, quer que te pague uma bebida?
shisuhiaushaihsaiuhsa
;*

Dica disse...

Adoro postagens assim, descompromissadas.
Começar, parar, fazer coisas enquanto escreve.. :)

Verdade que esse "povo" adora fazer dos outros, de nós, dos nossos ouvidos, depósito de lixo, do lixo "deles".
Também não tenho paciência pra MUITAS coisas que a maioria tem. E por esse motivo sou taxada como "grossa, indelicada, e intragável". Até gosto dos adjetivos, me sinto a vontade com eles.


Adorei isso aqui!

Maldito disse...

Bom,..se a vida fosse facil a gente não nascia chorando né!
Bjs

lpzinho disse...

Oi minha amiga!!!
Passei rapidinho hj para deixar um beijo apenas.
Te adoro, admiro e torço pra vc estar bem sempre!!! =) Se cuida!!

Daniele disse...

Gostei daqui, vc escreve muito bem!
Bem, sobre o post... eu já passei dessa fase... teve uma época que eu só era cobrada e cobrada por "N" coisas... até que um dia eu explodi... falei o que me incomodava, me afastei de certas pessoas, troquei de emprego e agora faço o que eu quero se me preocupar com opniões alheias e cobranças... de repente sua vida esteja precisando de uma tremenda mudança...
Boa semana!

Sofia disse...

- Gostei do post. É raro alguém desabafar assim 'em público'.
- Melhoras!
- Tem selo lá no blog para os 50 primeiros que comentarem. Vai lá!
beijos,
Sofia
(http://pirulito-no-palito.blogspot.com)

Jefferson Cristian Machado; disse...

Concordo, concordo e concordo!

Lyani disse...

Sinto saudades de te ler, fazia-me muito bem!
Mas sei que entende a falta de tempo, mesmo assim... que falta faz!
Gostaria de poder voltar aos dias em que tinha tempo pra visitar a todos e comentar...
Vc e seu blog são especiais... adoro!
Bjos

Marcela disse...

Quando eu disse pra minha mãe que queria fazer teatro, ela disse pra eu me preparar, porque eu viveria sem dinheiro, e isso e aquilo. Eu pensei, mas poxa vida, eu poderia viver sem dinheiro se fizesse teatro, porque eu seria feliz, e teria a minha casa pra morar ué.A primeira coisa que eu pensei foi: Num escritório com papéis e um computador é que não trabalho.
Resultado: Não fiz nada, engordei, não tenho emprego, to sem dinehro e sem teatro.

Também liguei o foda-se!

abraços.

Luciano de Sálua disse...

Um mínimo de rotina sempre se pede em tudo, mas quando nos entregamos a ela em certos pontos, o resultado será nós em busca do que não seja parte do eu, do tu e nem do ele.

Gi Moreira disse...

avemaria, eu tb odeio ficar falando no telefone, mas meu namorado, aparentemente, parece não perceber muito isso!!

BJS

Céu na Boca disse...

Eu passei a minha tarde toda lendo seus posts e não vou te mandar um e-mail falando que todos eles são uma bosta, haha. Eu gosto demais de le-lós, eu me divirto demais. Desculpa se eles não são para divertir, mas eu não consigo e tem hora que fico rindo de umas desgraças que acontecem na sua vida. Bem, ao menos, isso acontece com todo mundo. Menos mal pra você, hihi.
Eu já tive um blog MUITO tempo, e exclui porque eu tinha enjoado, agora eu voltei sem me identificar pra ninguém saber quem sou eu, haha.
Mas você que fez um template pra mim uma vez, do "Em Busca de Respostas", não sei se você se lembra, mas enfim, estou de volta, sua fã voltou pra te encher o saco, haha.
Tome cuidado, posso roubar teus textos e falar que eles são MEUS, muámuá.
OPASKAOPKSOAKS'

beijos;*

Flah disse...

Ah, não se sinta assim, sabe, é normal. Não é normal, mas há uma parcela que se sente assim. Ah, você entendeu. Minha mãe é igualzinha você. eaaehaehiaeaeuiha Tá, vai, você me lembra muito ela, tipo nesse texto. Mas bom, nem sei porque to falando isso. Mas sabe, só não se sinta um ET de varginha por causa disso. Nem sei se você se sente, e já disse que não sei pq to falando isso? O_o
vou embora vá.
beijo

Flah disse...

E, ah, amei o texto. Tanto o seu quanto o da Clarice.

Ana Laura disse...

Vou cobrar a bebida porque taí uma coisa de que eu GOSTO. Hahahaha!

Beijas ;)

Sidney disse...

É, "caímos exatamente na mesma ratoeira'...
Odeio tudo isso que vc tb odeia, passo praticamente pelo mesmo (abobrinhas são sempre abobrinhas, só as caras, feias, é que mudam; mas nem tanto...).

Às vezes acho que o mundo é enorme armadilha. Quando leio a Clarisse - adoro! -, aí então tenho certeza...

Mas o que mais me dá raiva mesmo é quando falam pra gente que nós (os "loucos", segundo eles...) é que não temos educação, quando são eles que não têm noção... e não têm nem o tanto necessário pra se tocar disso! Nesses casos, eu deixo de ser o pisciano introvertido que aparenta não notar nada desse oceano de sentimentos fúteis e mesquinhos. Me sinto, como se "já tivesse matado por muito menos", e viro no sei lá o que.
Mas o pior, é ter tanta consciência, a qual me impede de matar uns dois ou três dessa laia... Como queria não ter consciência de vez em quando, acredite... Mas o mais que eu faço quanto a isso é (hã) tomar uns goles e descontrair com um amigo ouvidor de rock...

Adooorooo seu Blogue Nathália Lispector!!!
bjus

Moniquinha disse...

Meninaaaaaa!!! Você é o máximo... Eu acabei de entrar no seu blog e já tô me viciando pode? Você é uma escritora e das boas!! Hahahahaha!!! Me faz lembrar uma outra muito parecida com você que tinha o mesmo dom.. raríssimo e muito precioso. Transformar em comédia todas as grandes e pequenas tragédias cotidianas e corriqueiras desse dia a dia... Você vai longe Natália.. escreve o que eu te digo... não vai demorar muito pra eu te ver no mesmo patamar de Tati Bernardi, Rani Baby, Adriana Falcão, Claudia Tajes, entre outras... "Não sou um ursinho de pelúcia que, quando alguém aperta a barriga, diz "i love you" FOI ABSOLUTAMENTE FANTÁSTICOOOO!!! Beijos gigantes!!! :)

Moniquinha disse...

Eu falei tanto... tanto... tanto... e esqueci de te fazer uma pergunta.. É que eu sou hiper-super-mega-ultra-curiosa. Tava vendo seu perfil e fiquei pensando... Quais são suas duas qualidades? Kkkkkkk!!! Besos!

Moniquinha disse...

Aaaaah!!!! Porque minhas postagens ainda não foram publicadas? Eu adoro as crônicas dessa garota... Vai lá Nathália.. Beijos!!! :)

Biel, o Bardo disse...

Eu vivo uma contradição - não tolero simpatia gratuita e passo o dia dando bom dia a estranhos, tendo que sorrir e ser bem humorado sempre. O que é um esforço hérculeo, pois minha natureza vai ao contrário disso tudo.
Não, não sinto vontade de cumprimentar todo mundo por aí (seja em casa, seja na rua, seja em qualquer lugar)
Interagir só quando me é conveniente, caso contrário fico com meus óculos escuros, meus fones de ouvido e minha postura intimidadora (e não esqueça das sobrancelhas. Já até me disseram para tirar a parte no meio, bem entre elas, no fim/começo do nariz só por eu parecer sério demais) e por favor, uma dose extra de ironia.

Guilherme disse...

haha traz identificação

Postar um comentário

Fique a vontade para deixar sua opinião, mas seja civilizado.